Jay lembrava-se constantemente de Anita. E se ele estivesse a traí-la? Ele não queria que ela conhecesse alguém como ela, ou uma pessoa normal. Não queria ser substituído. Ele não queria substituí-la. Mas ele não podia negar a atração que sentia por Lara, mesmo que tenham falado mínimas coisas como o tempo ou se vivem perto daqui. Ben, observador nato reparou neles, «Então? Porque estás aí especado e não vais falar com ela?» disse em tom divertido mas sério. «Oh, não sei...Ainda disseste que ela tinha namorado» respondeu Jay, admirado por indirectamente admitir o interesse nela. «A Sophie disse que eles acabaram» e logo acrescentou «Aproveita que ela está de coração mole» e riu-se. Jay riu-se mas não lhe deu ouvidos. Ele sabia que era errado aproveitar-se assim de alguém, mas ele tinha que falar com ela. Sabe-se lá se no fundo ela não é uma pessoa meio chata e aborrecida e perde o interesse? Afinal, aparências iludem.  

Estava quase na hora de se irem embora, após jantarem num restaurante perto e de irem a um bar cantar karaoke. Jay não sabia como abordar-se a Lara, mal se falaram a noite toda. Sorriam por entre piadas ditas por outros, olhavam-se divertidos, mas as palavras foi algo que não proferiram entre si. Não tinham assunto, mesmo querendo tê-lo. Lara e Jay foram os últimos a pagar as bebidas no bar «Que coincidência» disse ele baixinho. Lara ainda tentou perguntar-lhe o que tinha dito, podia ser para ela ou um comentário sobre ela, mas preferiu esquecer e sair dali. Estava cansada. Henry não parava de lhe ligar e mandava mensagens a cada 2 minutos. Sem querer dar o braço a torcer, não lhe respondeu, não lhe atendeu às chamadas, ignorou-o como se ele fosse nada. Depois de Jay pagar ficou parado à porta de entrada a ver o talão, verificou um erro e quando ia voltando para trás, olhando sempre o folheto, foi contra Lara. «Oh... peço desculpa ah...», olhou para a frente e continuou «Lara», disse timidamente e surpreso. Nunca pensou em falar com ela naquela noite, não pensou que poderia vir a chamar o seu nome, a ela, e soar tão bem. «Não foi nada, vinha distraída...» parou para lembrar-se do nome e disse «Jay» e sorriu. Um sorriso meio verdadeiro meio falso. Ele era um estranho a final de contas, e rapazes eram coisas que ela queria evitar ao máximo depois de Henry. Pegou na carteira que deixou cair e foi-se embora. Disse umas últimas palavras, «Boa noite», que ficaram na cabeça de Jay a noite toda, e saiu do bar a caminho de casa. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

expressa-te:

bright petals.