The Attraction #2

     


     Luna cresceu sem pais, apenas conheceu a sua avó e com o passar dos anos isso era mais que suficiente. Mondy cuidou de Luna como se fosse sua filha, deu-lhe todo o carinho que tinha no seu coração e preparou-a para quando Sol aparece-se. Mondy também já fora uma das encarnações da Lua, ajudou Sol a preparar-se para a guerra entre a sua galáxia e outra. Usou a sua ligação com a Lua para o ajudar, mas o poder não foi suficiente e por isso surgiu Luna. Mondy tem vários poderes. Assim como Luna irá ter quando completar os seus 21 anos idade, ou seja, nesta meia-noite.




     Olhei para o relógio e eram 00:01. 
- Temos de te levar para a casa da minha avó - disse eu para Sol. 
- Luna, eu mal me consigo mexer - refilou. 
- Sol, temos que ir andando! Passa um minuto da meia-noite. 
- Mas mal me consigo mexer.
- A sério? Podes parar de refilar? Temos um sistema solar para salvar está bem. 
       Soou tão esquisito que nem acreditei no que tinha dito. 
- Pronto, ajuda-me a levantar por favor - pediu. 
- Vamos. 
- Onde vocês pensam que vão? - perguntou uma enfermeira.
       Oh não! Vá-se embora por favor, não quero problemas. 
      Sol olhou para mim a sorrir. A enfermeira começou a ir-se embora sem dizer nada. 
- Parece que os teus poderes já estão a começar a aparecer Luna - falou divertido com a situação. 
- Não te rias! - suspirei - Vamos lá despachar. 
      Saímos do hospital sem problema. A chuva era cada vez mais forte, talvez para disfarçar a queda da maior estrela do nosso sistema na Terra.
- Sol - disse surpreendida pelo seu nome já sair tão facilmente da minha boca -, achas que sou capaz? 
- Como assim, Luna? De conduzir por entre a chuva? 

- Podes levar isto a sério por um segundo? Isto é grave. Era suposto teres ganho a guerra contra Tema e não teres caído em forma de humano na Terra. 
- Pronto. Desculpa. Só queria desanuviar o ambiente. Já estás tão centrada no objetivo e eu ainda só aqui estou por 40 minutos. 
- Pois, não és tu que vais ter que erguer uma estrela caída na Terra - disse eu cheia de raiva de Sol.  
      Depois do que disse, o caminho para casa foi em silêncio. Sol tinha medo de me irritar ainda mais e eu tinha medo de desistir de o ajudar só por não o suportar. Quando chegámos a casa foi tudo estranhamente estranho. 
- Sol! Como vais? - disse Mondy. 
- Mondy! Já tinha saudades tuas! - falou enquanto se abraçava à minha avó. - Estás cada vez mais linda - sorriu, com as mãos no rosto suave da avó.
- Não há necessidade disso, Sol - respondeu a minha avó. - Mas obrigada.
- Alguém me explica o que se passa aqui? 
- Não sabias que a tua avó já foi, também, a forma humana da Lua? - perguntou Sol. 
- Sabia, mas não fazia ideia da vossa "amizade" - fiz questão fazer o gestos das aspas. 
- Luna, não é nada disso! Sol e eu somos muito amigos. Eu era muito rígida com ele até, e ele sempre tentou fazer com que fosse mais simpática...
- Não consegui, a tua avó é um osso duro de roer - interrompeu a minha avó. 
- Mas até que gostávamos muito um do outro, e não iria perdoar-me se ele morresse na guerra contra Tema. Afinal, fui eu que o preparei. 
- Mas avó, ele perdeu... - disse eu. 
- Não por completo, e é por isso que tu és nova forma humana da Lua - retorquiu a avó - vais ajudar Sol a preparar-se para a nova guerra, vais melhorá-lo. Duma maneira que eu não consegui. Aliás, a luta que ocorreu hoje foi só um percalço. Tema apareceu sem avisar, não foi? - Sol assentiu. - Pelo menos, temos-te a ti agora - ela olhou para mim com uma onda de esperança. 
      E se eu não conseguir? E se por minha causa a nossa galáxia morre? 
- Querida não te preocupes, tu és capaz de tudo o que desejares. 
- Avó, já disse para parares de ler-me a mente - refilei. 
Ela riu-se - E que tal irmos comer? Preparei os vossos pratos preferidos e sei que ainda não jantaste Luna. 
- Pronto, vamos lá então. 
      Mudei de roupa e depois ajudei Sol a ir para o seu quarto, ele precisava de descansar. 
- Hum, Luna? 
- Sim - respondi-lhe enquanto ajeitava o lençol no seu peito de maneira a não atrapalhar nas ligaduras. 
- Podes depois trazer-me o caril que a tua avó preparou por favor? Estou a morrer de fome. 
- A sério? Estás a falar mesmo a sério? 
- Sim... Porque haveria de mentir-te? 
- Nunca pensei que algo como tu podia ter fome. Quer dizer, és humano e tal, mas não completamente humano... Se é que isto faz sentido. 
- Até faz, mas em qualquer caso, temos fome. 
- Então eu depois trago-te algo. 
- Obrigado, Luna - e lançou um olhar meigo para mim.





      Fui o caminho todo, do quarto para a cozinha, a pensar que Sol era mesmo bonito, não um bonito normal, um bonito wow. Ele era incrivelmente perfeito, e apesar de me sentir super atraída a ele, a sua personalidade fazia com que ficasse pouco atraída por ele. O que era completamente chato porque não sabia em que pé estava em relação a ele. 
- Problemas com o Sol? 
- Já te disse milhões de vezes para não entrares na minha mente. 
- Que foi? Tenho de saber se andas a praticar a barreira. 
- Como é que eu podia saber se tinha a barreira de pé na minha mente se os meus poderes só chegam aos 21? 
- Pronto, estás de mau humor. O que se passou? 
- É o Sol. 
- Então, que fez ele? 
- Então que nem parece que leva isto a sério. 
- Isto? 
- Sim, isto! Isto de ter caído na Terra, isto de ter de lutar contra Tema e isto de eu ser a forma humana da Lua! - explodi mais do que queria. 
- Tens que ter calma, ele não é fácil de lidar no início - disse calmamente enquanto se abraçava a mim. - Basta um pouco de paciência agora. Ele rapidamente irá adaptar-se a ti. 
- Pois, está bem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

expressa-te:

bright petals.